sábado, 20 de agosto de 2016

ZÉ MUNDÃO NO RIO DE JANEIRO EM MIL NOVECENTOS E ANTIGAMENTE (EM HOMENAGEM AS OLIMPÍADAS RIO 2016).


O Zé Mundão teve uma oportunidade ímpar em conhecer lugares mais distantes – saiu pela primeira vez da Amazônia, pegou um avião no Aeroporto Eduardo Gomes e, seguiu para o Rio de Janeiro, com escala em Brasília, era a sua primeira viagem a aquela cidade querida e admirada pelos brasileiros e, em especial, pelos manauaras.

Antes de pouso e, sobrevoando o Rio, lembrou-se daquela musica genial do Tom Jobim, a famosa “Samba do Avião” – “Minha alma canta/Vejo o Rio de Janeiro/Estou morrendo de saudades/Rio, seu mar/Praia sem fim...

O Aeroporto do Galeão (depois,Tom Jobim), na Ilha do Governador, tinha acabado de ser inaugurado, estava novinho em folha
                           

Passou alguns dias no apartamento de uns amigos da sua família, a Norma, Betinha, Dona Antonina, Titá e Miroco - no pé do Morro de Santa Tereza, onde teve a felicidade ímpar de rever os seus amigos amazonenses que estavam morando por lá fazia alguns anos.

Fez os primeiros passeios pela cidade, com a companhia do seu conterrâneo, o Miroco – conheceu algumas ruas do centro, visitou a Central do Brasil; andou em um trem, conhecido como “Trem Japonês”; passou pela Igreja da Penha, situada num penhasco, no Largo da Penha.

No dia seguinte, foi sozinho, conhecer o Cristo Redentor, no Morro do Corcovado – pegou um bondinho, depois, um ônibus, quando chegou lá, a linha férrea do Cosme Velho estava em manutenção, não ficou desanimado, se entrosou com um grupo de jovens e, seguiram a pé até o mirante da estátua.

Gostava de passear pela Praça 15, um lugar histórico da cidade, vez e outra, pegava a
barca Rio/Niterói e, ficava naquela cidade curtindo as suas praias. Certa vez, foi mais longe, pegou um ônibus até o Santuário Porto das Caixas, em Itaboraí, onde rezou e fez uma promessa – efetuou algumas compras, incluindo um imenso crucifixo de madeira para presentear a sua mãe.

Depois de algum tempo, o seu irmão, o Zé Pacú, veio de São Paulo e, foram morar no
apartamento de outra família de amazonenses: Senhor Carlito, Dona Nazaré, Jordan, Mário, Marcos, Junior, Dora e Carlinho, no centro da cidade.

Na realidade, o Zé Mundão não foi ao Rio para fazer turismo, mas, a procura de um tratamento para uma otite média perfurada, em decorrência dos pulos da Ponte Romana I e dos banhos diários no Igarapé de Manaus.

Ficou revoltado com os primeiros atendimentos médicos naquela cidade e, desabafou numa conversa telefônica com os familiares de Manaus:

– Fiz uma consulta com um médico otorrino, ele me aconselhou na maior cara de pau a voltar para a minha taba, pois, segundo ele, o meu caso não tinha jeito. Não desisti, procurei outro médico, o segundo, achou que o meu problema era em decorrência da inflamação da minha amídala, fui hospitalizado e detonaram a do lado esquerdo – não tinha nada ver, pois continuo com o mesmo problema! Depois, fui a uma clinica muito conceituada aqui no Rio, a do Professor Kós, eles fizeram uma bateria de exames e me aconselharam fazer uma urgente cirurgia no ouvido, terei que voltar a Manaus para
conseguir verba suficiente e retornar ao Rio para fazer a tal cirurgia. Mesmo assim, ainda vou dar um tempo por aqui.

O local onde o Zé Mundão morava no centro era considerado a rua onde o “Jogo do Bicho” corria mais solto no Rio - ele ficava olhando da janela do seu apartamento toda aquela movimentação – inclusive, fez amizade com o “olheiro”, um sujeito que ficava com um olho na banca e a outra na polícia, mas, todo dia ele era preso e, solto no mesmo dia, a peso de muita grana.

Tinha por lá um mendigo que morava dentro de uma Kombi velha, aos domingos reunia a rapaziada da rua para jogar “Placa de Carro” (faziam uma linha na rua e cada um apostava nos números de zero a nove, o final da placa que passasse por lá era quem ganhava a grana dos outros), o “kombeiro” ganhava todas, deixando sempre o Zé Mundão liso!

O outro morador de rua era um sujeito conhecido por “Galo”, ele tinha um vozeirão e quando tomava todas, gostava de soltar a voz somente ao amanhecer, acordando todos os moradores com a sua poderosa voz, o apelido dele foi em decorrência desse hábito - o Zé não gostava nem um pouco, pois dormia tarde da noite e, gostava de dormir um pouco mais pela manhã, mas, o Galo não deixava.

Quase todos os seus conterrâneos trabalhavam – o Zé Mundão não fazia nada, graças a uma ajuda financeira que todo mês caia na sua conta bancária, depositada por familiares - aproveitava a sua estada para conhecer a cidade e a sua gente.

Certo dia ficou olhando os aposentados jogarem carteado, na Praça da Cruz Vermelha, em frente ao Hospital do Câncer – entrou no jogo, somente levantando quando ficou liso, indo embora toda a grana que tinha retirado do banco.

Pela parte noite falou com o seu irmão:
- Mano, hoje, fiz a maior besteira, entrei num jogo de cartas com uma velharada que fica o dia todo na praça, pensava que ia ganhar deles, pura enganação, os caras são viciados e acho que usam cartas marcadas para ganhar dos otários que nem eu!

O seu irmão, o Zé Pacú, com cinco anos de praia no Rio, deu o conselho:

- Poxa, esqueci-me de falar para você não entrar em nenhum jogo por aqui, pois é tudo malandragem, tudo combinado, passa bem longe deles, nada de placa de carros, jogo do bicho, carteado nas ruas, nem jogo de dados nas barcaças!

Os conterrâneos do Zé falavam o “carioquês”, muita gíria, usavam roupas da moda carioca e, ele, falava somente o “amazonês” e não estava nem ai para a moda.

Os seus amigos o policiavam para não dar bobeira nem vacilada, para não ser chamado de Zé Mané ou Paraíba, mas, por falar “pelos cotovelos”, não tinha jeito, era uma mancada atrás da outra!

Numa sexta-feira à noite, foram passear em Ipanema, ao pararem em uma lanchonete, o Zé Mundão saiu com a seguinte pérola que matou de vergonha os seus colegas:

- Mano, prepara rapidinho prá mim um Kikão e um suco parrudão de cupuaçu que estou brocadão!

- Cumo é qui é, gente fina? – o garçom questionou, pois não entendeu nada.

Foi o suficiente para os seus amigos manauaras saírem em debandada, deixando o Zé Mundão falando sozinho!

O Zé sempre respeitava o modo de ser do carioca, porém, não permitia que alguém tentasse mudar o seu comportamento de caboclo baré.

Num domingo ensolarado foram à praia – a onda era pegar o ônibus, descalços, de sunga, sem camisa, com uma toalha nos ombros.
Os seus amigos ficavam chateados com o Zé, pois ele não se trajava de forma alguma
daquele jeito - todos se comportavam igual aos cariocas, enquanto ele calçava tênis com soquete, vestia bermudão e camisa tipo polo, além de ficar falando alto um monte de besteiras dentro do ônibus!

Com o passar do tempo, foi fazendo muitas amizades, começou a assimilar o jeito carioca de ser, já estava perdendo o seu jeitão de caboclo da Amazônia e, aprendendo a falar o carioquês, gírias e se vestindo conforme a moda, mas, estava chegando a hora de voltar para a sua terrinha, caso tivesse ficado mais um pouco por lá teria perdido a sua identidade cultural.

Fizeram um bota fora para o Zé Mundão, a despedida foi num boteco da rua em que morava, os seus amigos cariocas já estavam acostumados com ele e lamentavam muito a sua partida. Fez um brinde e um pequeno discurso:

- Volto para a minha cidade com o coração partido, vou guardar para sempre as lembranças do Rio, dos lugares fantásticos que conheci, das lindas praias e da alegria contagiante dos cariocas. Não dou muita atenção ao noticiário que mostra somente a violência que acontece aqui – a mesma coisa é com relação à Amazônia, somente somos notícia na mídia  , quando um barco vai a pique, com dezenas mortes ou quando o assunto é desmatamento e grandes enchentes e vazantes. O que acontece de bom no Rio e em Manaus não é muito mostrado, pois não dá ibope!
Qualquer um dia desses irei voltar, para matar a saudade de vocês, do Maracanã, da Igreja da Candelária, dos Arcos da Lapa e dos Bondinhos, da Biblioteca Nacional, do Teatro Municipal, da Quinta da Boavista, da Lagoa Rodrigo de Freitas, do Aterro do Flamengo, das praias de Ipanema, Prainha, Vermelha e de Copacabana, do Cristo Redentor e do Pão de Açúcar. Um brinde para os meus amigos manauaras e cariocas!


quarta-feira, 17 de agosto de 2016

BLOGDOROCHA: CACHOEIRA ALTA DO TARUMÃ

BLOGDOROCHA: CACHOEIRA ALTA DO TARUMÃ: Os manauaras que já passam dos cinquenta anos, lembram com saudades desse aprazível lugar – onde famílias iam passar os finais de seman...

sábado, 13 de agosto de 2016

SECOS E MOLHADOS


RASTEIRA GERAL - O Arthur (PSDB) é índio,mas não é bobo, não! Pois é, ele sabe de cor e salteado as dicas contidas no livro "O Príncipe", do Maquiavel, principalmente, daquela que não se deve se unir ao seu inimigo (no caso, o Praga do PMDB), mas, semear intrigas para enfraquecê-lo. 
Contrariando a tudo e a todos, foi pedir benção do Príncipe Quem Não Deve Não Temer (PMDB), para selar uma união, deixando o Cadeirudo sem forcas políticas. Nas ultimas pesquisas, o Rotta Exija Seus Direitos (PMDB), apareceu empatado com o alcaide. Nessa, chamou o camarada para uma conversa:
- Meu jovem Rotta, não adianta brigarmos separados pelo comando da Prefeitura - vamos ficar juntos, pois tenho grana saindo pelo ladrão e a maquina do município em minhas mãos. Sai da aba do Dudu! Tem mais: você fica dois anos como vice-prefeito e, em 2018, sairei para governador do nosso Estado, ficando você prefeito por mais dois anos. Topa a parada?
- Na hora, to dentro, meu Rei Arthur! - respondendo o Rotta Pizza BNDES.
Não vai ter para ninguém, mesmo contrariando o turco, o senador Kibe do Aziz (PSD) e o governador Melo Balança Mas Não Cai (PROS).
Agora só falta combinar com o povo (eleitores), pois a rasteira geral já foi dada!

TRISTE A SITUAÇÃO DOS VENEZUELANOS - Estão passando por um desabastecimento total, tudo ocasionado pela política desastrosa do presidente Maduro. Para domar a inflação, aplicou o “controle de preços” - quando beirou o custo de produção ou de compra, as mercadorias sumiram – depois, prendeu os empresários e tentou assumir o comando das indústrias, alegando que estavam sabotando o país. 
A lógica do mercado é vender com lucros, não tem jeito! Ele alega a queda dos preços do barril de petróleo no mercado internacional (o país recebeu trilhões de dólares nos últimos 17 anos) e um golpe de estado orquestrado pelas potências internacionais (papo furado, para enganar os otários). 
Os venezuelanos, famintos, estão invadindo o município roraimense de Pacaraima, para comprar itens básicos. 
Esse Maduro está na corda bamba, pois quando a fome generalizar, ele vai cair de podre! Tem mais: ele é o presidente do MERCOSUL! Se não sabe administrar o seu próprio país, imaginem comandar o bloco sul-americano! 
Apesar de tudo, ainda existem grupos de seguidores desse ditador lá e, também, aqui no Brasil!

REI PELÉ  - O Rei Pele não esta com frescura, não! Ele foi convidado para acender a Pira Olímpica, porem, não tem mais poder para decidir se aceita ou não! 
O nosso astro esta preso a contratos de imagem com a MasterCard, Coca-Cola e outras empresas dos USA. Não houve autorização deles! 
O homem é bilionário, mas, perdeu o poder de livre arbítrio de usar a sua imagem Pele! 
É o poder da grana dominando tudo e a todos!

PRÉ-OLIMPÍADA - Diariamente, o Rio de Janeiro, se expõe as falhas estruturais e de segurança no Rio 2016. 
As Olimpíadas não é do Rio, mas sim, do Brasil, consequentemente, expondo um vexame a todo o nosso pais! 
No entanto, apesar do erro em termos aceitado essa monstruosa empreitada, acredito no sucesso do evento. 
Tem mais, acredito na superação do Rio e do povo brasileiro, pois somos inteligentes, capazes, temos recursos naturais abundantes e, forca para mudar radicalmente os nossos representantes nas próximas eleições!

ALTOS E BAIXOS – Cara,  passei três semanas de pura turbulência, com altos e baixos, sem condições mentais de atualizar o blogdorocha. Hoje, sexta-feira, as coisas começaram a entrar nos trilhos. 
Depois do segundo litrao, voltei a escrever as minhas leseiras para o blog. 
Tudo é uma união: estado de espírito positivo, pesquisas no fundo do baú da memória, motivação e inspiração. Amanha irei postar: As Luzes da Minha Cidade - onde escrevo na introdução de duas laudas: 
"Na minha infância, em Manaus, a cidade era muito escura, em decorrência da deficiência da iluminação publica - chegando a adolescia, comecei a admirar as luzes distantes da Cidade Alta - na a vida adulta, acompanhei o crescimento vertiginoso da cidade, com luminosidades diversas - atualmente, tenho a oportunidade de presenciar o nascer e o por do Sol, as fases da Lua e as luzinhas das residências distantes da zona leste" 
Essa postagem será dedicada aos meus irmãos, netinhos, amigos de rua e a todos os manauaras! 
Depois de publicado no blog, irei disponibilizar no face. Peco desculpas a voces por ser longo em meus comentários no Face! Abraço e um Ótimo Final de Semana!

COISAS DO BRASIL – Em Jutaí, interior do Amazonas, a prefeitura contratou por meio milhão, os chorões Zezé Di Camargo & Luciano, os funcionários públicos botaram para chorar na festa, por estarem com os seus salários atrasados.
Em Brasilia, os Deputados e Senadores irão trabalhar, em agosto, somente 12 dias, recebendo 3 mil por dia, alem de acesso gratuito aos Jogos Olímpicos, podendo levar suas esposas e, amantes. Tudo grátis! 
Em Coari, interior do Amazonas, grande produtor de gás e petróleo, falta combustível para rodar os veículos da prefeitura, por falta de grana, mesmo assim, o alcaide queria comemorar o aniversário da cidade com show pirotécnico e a contratação milionária da dupla caipira Simone & Simaria.
Pensem numa fuleiragem!

EM GREVE! - Trabalhei durante anos liberando mercadorias estrangeiras. O algoz dos despachantes sempre foi o fiscal da RF. 
A grande maioria vem de outros Estados, eles não gostam do calor e da cidade, tratam todo mundo com indiferença; adoram multar as empresas por ínfimos erros, liberam no ultimo dia estipulado na legislação. 
Ganham uma grana preta de salários e, vivem o tempo todo reclamando de tudo e de todos. Para completar, estão em greve!




CLASSIFICADOS
Vendo duas pequenas grandes obras de artistas plásticos amazonenses: Jorge Palheta & Ignácio Evangelista.
BARCO REGIONAL - Óleo sobre tela, 58x70, Ignácio, 2013;
ESOTÉRICO AMAZÔNICO - cartolina, 47x66, Palhetta, 2013.
Os interessados, favor informarem o valor que estão dispostos a adquiri-los. Podem, também, entrar em contato pelo e-mail jmsblogdorocha@gmail.com
São duas pequenas grandes obras - possuem grande valor sentimental, mas, estou disposto a me desfazer por um bom motivo!

segunda-feira, 8 de agosto de 2016

O RETORNO DAS PASTORINHAS DO LUSO


Fiquei sabendo através do meu amigo José Luiz Silva, Diretor da Via Conta Serviços Contábeis, que o atual Presidente do Luso Sporting Club, o Flávio Vilhena, pretende viabilizar o retorno, em 2017, das Pastorinhas do Luso, em comemoração aos cem anos daquela peça teatral.


O Luso Sporting Club é uma agremiação de portugueses, fundada em 1912 (na Rua Saldanha Marinho), localizada na esquina das ruas Monsenhor Coutinho e Tapajós, centro antigo de Manaus - um bonito casarão remanescente da Belle Époque - pertencia ao seu fundador, o comerciante português Francisco Gomes Rodrigues (segundo os historiadores, foi destruído por uma grande incêndio e, o atual, foi reconstruído em 1936).

 Era de caráter desportivo, disputando o futebol amador manauara, no Parque Amazonense, encerrando a sua participação futebolística em 1934, passando. doravante, a exercer somente atividades sociais para os portugueses radicados em Manaus.  

Em 1917, iniciou uma atividade teatral, conhecidas como “As Pastorinhas do Luso”, uma encenação representando o Auto do Natal, iniciava em dezembro e ia até março do ano seguinte.

No início da minha adolescência, fui morar na Baixada da Vila Paraíso, entre a Avenida Getúlio Vargas e Rua Tapajós, onde tive a oportunidade de frequentar, regularmente, o Teatro Amazonas, Teatro Juvenil e Luso Club.

Não tinha a menor vocação para a encenação teatral, mas, fazia parte dos bastidores das “Pastorinhas do Luso”, na qualidade de ajudante do “Cão do Luso”, fazendo um trabalho pesado, apesar de ser franzino.

Ajudava na alavanca que impulsionava os capetas na saída de alçapão para entrarem em cena – além de colaborar com o enchimento de um cachimbão com pólvoras, onde eram jogados labaredas (língua de fogo) e, também, batendo nos pratos de bateria – era o momento mágico e aterrorizante para o público infantil, que se assustava e se abraçava fortemente nos braços de seus pais.

Segundo o livro “Manaus (1944-1968). Selda Vale da Costa e Ediney Azancoth. – Manaus: Editora Valer/Governo do Amazonas, 2001”, em agosto de 1917 o Teatro do Luso já apresentava as famosas “Pastorinhas”, inclusive, construíram uma escola chamada “João de Deus”, onde era formada a maioria dos artistas.

Um Folheto Informativo denominado “Movimento Luso 2000, lançado em 1997, publicado no citado livro, fazia o seguinte comentário:

” As Pastorinhas, ou Auto do Natal, do Luso, tomava conta do sentimento da cidade. Não havia uma só família que não levasse suas crianças para assistirem ao espetáculo. O anúncio das Pastorinhas era feito pelas próprias personagens que desfilavam pela pacata cidade em cima de um velho caminhão, todo enfeitado, como se fora um palco. As batidas dos pratos de metal despertavam atenção e alvoraçaram a população, mas a personagem que mais se destacava era Lúcifer. O famoso Cão do Luso, todo vermelho, com enorme garfo preto, fez muita criança correr em disparada buscando abrigo no colo dos adultos. Metia medo e sedução”.

Existiam vários atos, porém, o que mais me chamava à atenção era os que tinham a participação do Cão do Luso, por ser a parte mais divertida e aterrorizante!

Dois deles eram assim (conforme o livro da Selda e do Ediney):

A pastora perdida e Lusbel (o Cão do Luso).

A cena representava uma floresta fechada. O Diabo surge do alçapão numa gargalhada satânica.

LUSBEL – Há... Há... Há... Eis-me novamente em campo, prosseguindo no meu intento de em tudo contrariar esse Deus. (Grita para dentro do alçapão): Trinca Ferro!
TRINCA-FERRO (saltando) Pronto! Que ordenais?
LUSBEL – Come-Fogo!
COME-FOGO (saltando): Aqui estou!
LUSBEL – Feiticeiro!
FEITICEIRO – Hi... Hi... Hi...
LUSBEL – Gigantes-das-Trevas Que é isto? Estais amarelo?
TODOS – Nós, amarelos? Nunca!
LUSBEL – Nada de vacilações!
LUSBEL (canta):
No meu reino sou invencível
Lutarei até vencer
Contra Deus e contra tudo,
Far-me-ei obedecer.
TODOS (coro):
Não temer nem recuar.
O inferno nos protege
Em tudo vamos ganhar
LUSBEL:
Do inferno imperador
De minha grei rodeado
Serei sempre insubmisso
Mas não serei humilhado
(Ouve-se ao longe o canto da Pastora Perdida. Os diabos escutam, ocultando-se em seguida)
PASTORA PERDIDA:
Perdida eu vivo nesta solidão
Entregue somente às leis desta sorte
É minha sina. Ó, Deus, tem compaixão
Dá-me forças precisas para enfrentar a morte
Deus do Céu, enviai, por amor de Maria
Um anjo celeste e protetor, que me sirva de guia.
LUSBEL:
Pastora perdida, eu te guiarei
Por lindas estradas
Que meu reino tem
Se queres ser rainha
Diz-me que és minha
Possuo riqueza, sou homem de bem
PASTORA PERDIDA:
Não quero riqueza, nem tua bondade
Quero o meu pastor
Da minha igualdade. Vivo na pobreza
Abandono a riqueza
Eu só queria um guia
Que tivesse piedade.
LUSBEL:
Pois já que me recursas e me fazes sofrer, no reino do inferno tu vais padecer (chamando os infernais):
- Infernais! Amarrem-na e levem-na para o meu reinado para alegrar o nosso festim de hoje. Há... Há... Há... (Desaparece no alçapão).
PASTORA PERDIDA:
- Valei-me, São Miguel!
(São Miguel aparece de espada em punho)
SÃO MIGUEL – Para trás, espíritos infernais
 (São Miguel derrota os diabos e castiga Lusbel)
SÃO MIGUEL – A Cruz Divina quebrará o teu poder e te obrigará a rogar-te no chão (mostra a cruz)...
Agora, sobe ao teu trono para seres castigado e seres transformado em dragão.

As Pastorinhas ficaram em cena por cinquenta anos, os demônios eram encenados pelos portugueses (um deles, foi o José Azevedo, dono das lojas TV Lar), deveria ser muito engraçado a interpretação do “Cão do Luso” com sotaque lusitano - na minha época, todos os atores e atrizes eram brasileiros, dentre eles, o Lapinha e o Lapão (Belisca Lua), o Chaquinha, Walder e Batoré (Soldados Romanos) – esses eram meus vizinhos, além da Nossa Senhora, uma linda atriz que morava no bairro da Matinha.

Todos os atuais sexagenários que moravam nas proximidades do Luso Club, lembram-se daquele momento bonito e marcante - quando encontro com o meu irmão Rocha Filho e os amigos Julinho da Receita, Delfim, Sacy da Pareca, Faraó, dentre outros, sempre lembramos com carinho, respeito e saudade das Pastorinhas do Luso!

Ficarei na expectativa pela volta da peça teatral, pois além de poder frequentar o clube da minha adolescência, levarei os meus netos para assistiram as Pastorinhas do Luso. É isso ai.

Obs. Para conhecer mais sobre as pastorinhas, os interessados devem ler a Dissertação de Mestrado, da Elma Nascimento de Souza:


segunda-feira, 1 de agosto de 2016

FRAGMENTOS DA MINHA MEMÓRIA




Não sou velho, apenas puído pelo tempo - lembro-me de fatos vivenciados, em minha longínqua tenra idade, pois ficaram marcados para o todo e sempre – por ter uma facilidade de exprimir-me facilmente (uma eloquência concedida pelo nosso bom Deus), irei relacionar alguns pedaços que ficaram escondidos em minha memória.

1.   Sentado em uma tábua da parte detrás do flutuante (casa flutuante) onde morava com a minha amada e saudosa família, no Igarapé de Manaus, ficava a admirar uma imensa torre de madeira, localizada em um campo da Rua Major Gabriel (Vila Flacy) - notava que algumas pessoas gostavam de escalar aquela edificação – ao longe, pareciam apenas uns pingos pretos.

Presenciei, a contragosto, o desmonte daquela estrutura – não conseguia entender o que estava acontecendo e o porquê daquela destruição – com o sumiço daquele cenário e outros tantos, o meu campo prazeroso de observação já não era o mesmo!

Décadas depois, pesquisando sobre a história da minha cidade Manaus, descobri que aquela torre da minha infância, servia como um tipo de antena de rádio, para comunicação da empresa norte-americana de viação, a Panair do Brasil – com a saída do mercado brasileiro, houve o desmonte de toda a estrutura que havia em Manaus – pois é, sinto orgulho de ter presenciado um pouco da história da minha cidade;
                                                              
2.       Tinha apenas dez anos de idade, estudava no Colégio Divina Providência (ao lado do Luso Club e da Praça do Congresso) - sentado em minha cadeira, que ficava próxima a parede, presenciei a destruição de duas abandonadas edificações: o Prédio da Saúde e o Palacete Miranda Corrêa.

Aquilo não me comovia, pois não tinha noção do mal que estavam fazendo a nossa cidade – era lugar comum, naquela época, a destruição de prédios antigos e largados pelo tempo, para darem lugar a novas e modernas edificações (espigões).
Muito tempo depois, com o advento da internet, pude voltar ao passado através de fotografias digitalizadas - uma delas é da Praça Antônio Bittencourt (Congresso), onde estavam inseridos aqueles belos prédios, onde presenciei a destruição de ambos – era pura história e, eu não sabia!

3.       Tenho uma antiga vizinha, no centro da cidade, chama-se Deusa – ela já está bem velinha – ao encontrá-la, gosto de falar-lhe, com nostalgia, sobre o “Clube Sambão” (ficava na Avenida Joaquim Nabuco, atual faculdade Uninorte), onde dançava as sextas-feiras e, do balneário “Ponte da Bolívia”, onde tomava banhos em suas águas geladas e cristalinas – gosto de ver o brilho dos seus olhos ao relembrar daqueles tempos bons.

Pois é, os meus olhos brilham, também, pois lembro com saudades das paqueras, namoradinhas e dos bailes dos finais de semana do Sambão, Sheik e Bancrevia.

Aos finais de semana, o meu saudoso pai nos levava (eu e meus irmãos) para tomarmos banhos nos balneários do Parque Dez, Tarumanzinho e na Ponte da Bolívia (ambos, atualmente, são esgotos a céu aberto) – ainda sinto o cheiro de peixe frito, da água gelada, das areias branquíssimas e dos pulos da ponte!

4.   Dias desses, fui passear com a minha netinha Duda, na Feira da Eduardo Ribeiro – ela estava vestida de “Frozen” e, queria passar pelo Teatro Amazonas, pois com apenas seis anibhos já tem uma atração especial pelo teatro e suas encenações.
                                                                    
Ao parar bem frente ao Opera House, voltei ao passado, lembrei-me da primeira vez em que entrei naquele edifício das artes dramáticas – a parte externa era escura, sem cor, esquecida e fétida.

Era noite e a porta principal estava aberta, sem ninguém para vigiar a entrada – tinha uma réstia de luz, algumas pessoas falando alto, com uma musica suave como pano de fundo – fui atraído por aquilo, entrei discretamente, sentei na primeira cadeira da plateia principal.

Foi a primeira vez em que tive a oportunidade de ver um palco, uma representação e, uma mulher seminua – fiquei agitado e excitado ao observar um belo par de seios (a atriz representava uma índia guerreira) – isso ficou marcado em minha memória – toda vez que visito o nosso majestoso teatro, a emoção se renova;

5.   A sétima arte sempre foi um dos meus hobbies preferidos – vendia picolés, petecas e gibis para poder comprar o meu ingresso aos domingos no Cine Guarany.

Certa vez, fiquei até o inicio da noite, em frente ao cinema, vendendo as minhas revistinhas, numa bobeira do porteiro, dei aquela “furada”, fiquei na ultima fila, com olhos atentos na tela grande e no “lanterninha”, para ser colocado para fora.
Estava passado o filme “E O Vento Levou”, com quatro horas de projeção – na final, misturei-me a multidão e, sai sem ser notados pelos porteiros. 

O problema foi em casa, pois já passavam das onze horas da noite – todos estavam na minha captura – foi surra na certa e castigo por um bom tempo.

O Cine Guarany foi destruído e, em seu lugar, construíram um prédio “sem graça” para uma agência do Banco Itaú – toda vez em que passo por aquele local, lembro-me daquele episódio. 

Existem outros fragmentos da minha memória – irei escrevendo aos poucos. É isso ai

sábado, 23 de julho de 2016

AS LUZES DA MINHA CIDADE

                         
Na minha infância, em Manaus, a cidade era muita escura, em decorrência da deficiência da iluminação pública - chegando a adolescência, comecei a admirar as luzes distantes da Cidade Alta (Bairro de Educandos) - na vida adulta, acompanhei o crescimento vertiginoso da cidade, com luminosidades diversas – atualmente, tenho a oportunidade de presenciar o nascer e o pôr do Sol, as fases da Lua e as luzinhas das residências distantes da zona leste da cidade.

No início da década de sessenta, a cidade de Manaus ainda se ressentia dos estragos causados pela Segunda Guerra Mundial (1939-1945) e pelo marasmo econômico, vivendo numa imensa escuridão, compensada, em parte, com a oportunidade de apreciar um luar e o brilho incandescente dos astros luminosos.

Na minha tenra idade, tinha uma fascinação pelo fulgor das velas, lamparinas, lampião, aladim e das lâmpadas fosforescentes; do brilho das telas dos cinemas Guarany e Polytheama; das fogueiras juninas, além da Lua e das estrelas – como a minha cidade era escura, essas luzes compensavam.

Morávamos no Igarapé de Manaus e, nas sextas-feiras, o meus pais gostavam de visitar, pela parte da noite, um amigo da família, o Abdias (um amolador de facas que trabalhava no Mercado Adolpho Lisboa), ele morava com a sua família no bairro de Santa Luzia – íamos a pé pelas pontes romanas (Primeira, Segunda e Ponte de Ferro) da Avenida da Sete de Setembro.

No trajeto, eu ficava admirando os luzidios distantes, emitidos pelos flutuantes (casas sobre toras de madeiras) dos igarapés e do Rio Negro e pelas residências da conhecida Cidade Alta (o bairro de Educandos, por ter uma topografia elevada, era assim conhecido) – aproveitava para olhar o céu estrelado (coisas de poeta, apesar de não sê-lo).

Acompanhei o crescimento vertiginoso da cidade, em decorrência da implantação da Zona Franca de Manaus – atraindo os interioranos e gente de outras plagas – elevando o desenvolvimento econômico da cidade – voltando a brilhar a cidade, em decorrência da iluminação publica; das casas; do comércio; das indústrias e dos centros de compras.

Com o progresso vieram a tiracolo as mazelas sociais e, com tantas luzes em minha cidade, não foi mais possível apreciar uma noite enluarada, como antigamente.

Já fui um notívago inveterado (nos finais de semana), sempre a procura dos bares, das praças, das donzelas e, das luzes da minha cidade, não para aparecer, mas, para aprecia-las.

Depois de longos anos morando e, curtindo as luzes do centro da minha cidade, resolvi debandar para bem longe, onde pude ter o prazer e a felicidade de ver, novamente, o nascer e o pôr do Sol, o luar e as luzinhas distantes das casas da zona leste – uma curtição que me leva a minha distante juventude, lembrando os luzidios da antiga Cidade Alta.

Recentemente, tive a felicidade de ler uma matéria jornalística, na qual um empresário do ramo do turismo está proporcionando um maravilhoso passeio noturno, saindo da desembocadura do Tarumã até o Encontro das Águas, onde os turistas e os manauaras podem apreciar na cheia do Rio Negro, as cores brilhantes e belas das luzes da minha cidade.


Muito bom lembrar e escrever sobre Manaus - apesar de tudo de ruim que fizeram (e ainda fazem) com ela – mesmo assim, continuo amando e respeitando as luzes da minha cidade. É isso ai.